Skip Ribbon Commands
Skip to main content
SharePoint
MINISTRO APONTA MEDIDAS PARA A SAÍDA DA CRISE

Sob o lema 'Fazer mais com menos', o ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, dissertou nesta terça-feira, 19 de Julho, em Cabinda, sobre as 'Linhas Mestras da Estratégia para a Saída da Crise'.

O governante falava à margem das Conferências Regionais sobre as Plataformas Logísticas do Iema e Massabi, realizadas no Salão Nobre do Governo da Província de Cabinda, na presença da governadora local, Aldina da Lomba Catembo.

'As perspectivas para a economia mundial nos próximos anos não são muito animadoras com taxas de crescimento moderadas entre 3,2 por cento e 3,5 por cento, isto caso não se agudizem os problemas latentes que ameaçam o mundo, como a crise dos refugiados, a questão da Rússia e da Ucrânia, as tensões no Médio-Oriente, o crescimento dos partidos políticos xenófobos de extrema-direita e radicais de extrema-esquerda na Europa e EUA e, naturalmente, a grande ameaça do terrorismo, entre muitas questões menores mas potencialmente perturbadoras da ordem económica mundial', descreveu.

No que aos conflitos internacionais diz respeito e, em particular, na região da África subsariana, o governante considerou que Angola tem demonstrado o seu envolvimento através do empenho do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, cuja capacidade diplomática e estatura política tem conseguido pacificar a região, como é reconhecido internacionalmente.

Para Augusto Tomás, compete-nos a nós, angolanos, resolver os nossos problemas, naturalmente com a cooperação internacional de vária ordem.

Assim, a estratégia para aquela substituição de fonte de receita e assim fazer face à crise, passa por aumentar a curto prazo a produção e o controlo dos produtos exportáveis de modo a gerar divisas para o país e aumentar a produção interna, sobretudo dos produtos da cesta básica e de outros produtos essenciais para o consumo interno e para a exportação.

Neste sentido, o investimento público deve ser canalizado para projectos estruturantes provedores de bens públicos e/ou com impacto na diversificação da economia, nomeadamente contribuindo para a viabilidade e produtividade de investimentos privados.

Devem, assim, ser canalizados para o investimento privado os saldos das linhas de crédito existentes e encontrar outras fontes de financiamento que suportem o endividamento para o mesmo fim, desde que a eficácia e a eficiência desses investimentos privados seja comprovada de forma a garantir a sustentabilidade desse endividamento.

O ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, esteve ainda em Ondjiva (Cunene), no dia 15 de Julho, e Mbanza Kongo (Zaire), dia 18 de Julho, onde falou sobre as medidas do Executivo que visam a saída da crise.