Skip Ribbon Commands
Skip to main content
SharePoint
Discurso de Abertura Proferido no dia 31 de Março por S. Excelência o Senhor Ministro dos Transportes , Dr Augusto da Silva Tomás , no 1º evento do Colegio Sistemas de Informação sobre o Tema 'Economia de Partilha'
Exmos.

Antes de mais, gostaria de dar as boas-vindas a todos os participantes neste evento e agradecer, em particular, aos palestrantes que se dispuseram a partilhar os seus conhecimentos e experiências nos temas programados, particularmente críticos para o progresso das empresas, dos países e da humanidade em geral.

Por outro lado, gostaria de louvar esta iniciativa do Gabinete de Tecnologias de Informação do Ministério dos Transportes, integrada na criação do Colégio de Sistemas de Informação do Ministério.

Este Colégio, um grupo informal do Ministério dos Transportes, pretende mobilizar todos os órgãos, Institutos e Empresas Públicas Tuteladas Pelo Ministério, no sentido de fortalecer as ligações e sinergias entre todas essas entidades e, em particular, entre as respectivas Áreas de Sistemas e Tecnologias de Informação, Visando Rentabilizar Investimentos, Implementar as Práticas que Correspondam ao Melhor Estado da Arte Internacional na Matéria e, espero eu, desenvolver capacidades, competências e conhecimento na utilização destas tecnologias pelo maior número possível de funcionários e empregados das entidades ligadas ao Ministério dos Transportes.

O desenvolvimento do conhecimento em sistemas e tecnologias de informação no Universo dos Transportes é fundamental para atingirmos os nossos objectivos de Excelência nos Ramos da Logística e Transportes, que correspondem, actualmente, a actividades onde esses sistemas mais têm permitido e induzido a melhoria da qualidade de Serviço e a Inovação, o lançamento de novas soluções para os clientes e gerado reduções de custos assinaláveis, em proveito de todos os actores envolvidos.

Desde há vários anos que o Ministério dos Transportes tem em funcionamento uma plataforma Informática centralizada de armazenamento de dados de gestão de todas as empresas públicas do nosso sector, o SMIGESPT.

Nessa plataforma são armazenados e tratados todos os dados sobre recursos humanos, sobre as operações e os dados económicos e financeiros de cada empresa, visando a sua análise por empresa e agregados por ramos de actividade – Aéreo, Ferroviário, Marítimo-Portuário e Rodoviário.

No início, os dados respectivos eram enviados para o Ministério em papel, com muito atraso e erros permitindo-nos, apenas, apresentar um relatório anual pouco desenvolvido.

Actualmente, a informação é introduzida directamente pelas empresas no SMIGESPT e tratada mensalmente nos serviços do Gepe do Ministério. O impacto do SMIGESPT nos sistemas de gestão das empresas tem sido assinalável. Todas as empresas do sector público dos transportes têm a sua contabilidade e estatísticas em dia, com qualidade razoável, e as respectivas contas anuais homologadas pelo ISEP.

Naturalmente, ainda temos muito caminho a percorrer para atingirmos os nossos objectivos, nomeadamente em termos de chegarmos a um modelo de Governação digital a nível de todo o Ministério dos Transportes.

Na realidade, a Tecnologia avança hoje a um ritmo quase alucinante. As inovações e novos conceitos da economia digital que vão aparecendo constantemente criam, em poucos anos, empresas que se transacionam ou se cotam na bolsa por biliões de dólares americanos e os governos e empresas têm dificuldade em acompanhar esse ritmo de inovação e desenvolvimento.

É difícil formar quadros em Tecnologias de Informação suficientes, em quantidade e qualidade, para suportarem esse ritmo de evolução das tecnologias e o mesmo se pode dizer dos modelos de gestão das empresas, tendencialmente algo conservadores, que hesitam em aderir às novidades com medo de o salto a dar não tenha sucesso e percam o controlo das operações da empresa.

 

Por outro lado, os investimentos em infraestruturas tecnológicas são elevados e os desafios técnicos são consideráveis pelo que, nem sempre, podem acompanhar o ritmo de lançamento de novas soluções tecnológicas digitais, como o crescimento exponencial da utilização de dispositivos móveis, quer para recreio e lazer, quer para actividades profissionais, nomeadamente para a logística e transportes mas, igualmente, para inúmeros processos de trabalho e todos os sectores, permitindo executar algumas tarefas na hora, servindo melhor o cliente e reduzindo substancialmente os custos.

Iremos, neste evento, conhecer os projectos da 'Angola Cables' que, a concretizarem-se, poderão mudar radicalmente os processos de trabalho, permitir a interoperabilidade dos serviços e a ligação entre as empresas localizadas em partes diferentes do mundo, potenciando negócios, reduzindo custos e diminuindo tempos de decisão e de resolução de problemas. Sem internet rápida, fiável e a preços comportáveis, não há crescimento económico e desenvolvimento social sustentáveis, impedindo os países e as empresas de saírem da cauda do pelotão.

 

 

Caros participantes:

As iniciativas de desenvolvimento de Sistemas de Informação no Ministério dos Transportes têm de adoptar uma visão que envolva os seus parceiros sociais, não só os parceiros públicos, mas também os parceiros privados que, de algum modo, se relacionam com os serviços do Ministério.

Conceitos hoje cada vez mais adoptados como o da 'Janela Única', seja para os portos, seja para licenciamentos ou quaisquer outras actividades da responsabilidade do ministério dos transportes têm que fazer o seu caminho visando a implementação desta solução nos respectivos serviços.

 

Todos nós sentimos a crise económica e financeira em que vivemos, em consequência da queda abrupta do preço do petróleo e, igualmente, todos nós conhecemos quais as orientações do titular do poder executivo, Eng.º José Eduardo Dos Santos, para ultrapassar este momento difícil: diversificar a economia, substituir importações e fomentar as exportações. Estes objectivos, para se atingirem, não são compatíveis com burocracia e complexidade de processos administrativos para autorizar investimentos no sector, licenciar empresas e actividades, efectuar operações portuárias ou cobrar as taxas devidas por lei. Todas as actividades da nossa responsabilidade e que podem afectar o bom desempenho daquelas orientações de sua excelência, presidente da república, criando constrangimentos aos nossos parceiros, têm que ser desburocratizadas e simplificadas ao máximo sem, naturalmente, perdermos o controlo das situações.

 

Nesta área de intervenção, iremos também hoje ouvir uma apresentação deste conceito de 'Janela Única' que todos aguardamos com expectativa.

Do mesmo modo e como já disse anteriormente, as actividades de logística e transportes foram, porventura, das que mais beneficiaram e continuam a beneficiar da internet e das soluções tecnológicas que foram sendo aplicadas ao sector.

Os transportes estão, definitivamente, na era digital e da utilização de dispositivos móveis, quando falamos do melhor estado da arte do sector e, também, teremos o benefício de ouvirmos, neste evento, explicarem-nos porquê e como e, certamente, sairemos daqui com mais ideias para melhor respondermos às necessidades dos nossos parceiros.

Caros colaboradores:

As nossas preocupações não podem ser, maioritariamente, pedir subsídios ao investimento ou à exploração para continuarmos a trabalhar como sempre o fizemos no passado. Alguma coisa mudou na gestão dos transportes e muito mais vai mudar e muito mais rapidamente. Vamos ouvir, igualmente, uma intervenção que nos vai falar na nova economia nos transportes.

Ouçamos com atenção todas as intervenções que se seguem, protagonizadas por profissionais credenciados em todos estes temas porque o futuro já chegou e o futuro não é, definitivamente, aquele que já descortinamos, mas será outro futuro, aquele que ainda não conhecemos nos seus contornos nítidos, mas que temos obrigação de antecipar, no máximo possível.

Desejo a todos um bom dia de trabalho e que seja proveitoso para mantermos os transportes em andamento em direcção do Progresso do Sector, do país e da região onde nos inserimos.

 

Muito obrigado!