Skip Ribbon Commands
Skip to main content
SharePoint
PLATAFORMA LOGÍSTICA É FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ECONÓMICO
MINISTRO DOS TRANSPORTES
PLATAFORMA LOGÍSTICA É FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE CRESCIMENTO ECONÓMICO
 
A Rede Nacional de Plataformas Logísticas (RNPL) é parte integrante do sistema logístico nacional, sendo uma das peças fundamentais do processo de crescimento económico e do desenvolvimento social, considerou sábado no município do Luau, província do Moxico, o ministro dos Transportes Augusto da Silva Tomás.
 
Augusto Tomás falava sábado, 30 de Julho, na sessão de abertura do Seminário Regional sobre a Plataforma Logística Transfronteiriça do Luau, realizada no município com o mesmo nome, na Província do Moxico, na presença do governador João Ernesto dos Santos 'Liberdade'.
 
A RNPL interliga as diferentes vertentes da economia: produção, armazenamento, consolidação e distribuição dos produtos no mercado. 'Aqui, o sector empresarial contribui com a parte que lhe compete, ou seja, com a criação de valor acrescentado para a indústria, comércio, serviços. O sector público com a organização, a regulamentação e a disponibilização das infraestruturas.
 
O titular dos Transportes considerou ainda que a rede nacional das plataformas logísticas é parte integrante do plano estratégico nacional de acessibilidades, mobilidade e transportes. 'A generalidade dos países assume esta perspectiva na sua ordem legal, pois que a rede nacional das plataformas logísticas é também um factor incontornável de coesão económica, social e territorial do país.
 
O governante avançou que as plataformas logísticas podem contribuir para a correcção das assimetrias regionais e ter um papel determinante no domínio dos instrumentos ao dispor do Executivo para a gestão dos altos interesses nacionais, dada a sua distribuição pelas dezoito províncias do país.
 
QUARENTA E QUATRO PLATAFORMAS LOGÍSTICAS
 
Estão previstas cerca de 44 (quarenta e quatro) plataformas de 1.º, 2.º e 3.º nível das seguintes tipologias: urbanas, regionais, portuárias, transfronteiriças e centros de carga aérea nos principais aeroportos.
 
A localização actual e prevista da actividade económica e do investimento público e privado conduzem ao seu posicionamento estratégico nos eixos de cruzamento das vias de comunicação terrestres (rodoviário e ferroviário), aéreas e marítimas, configurando a integração e a complementaridade das redes modais de transporte e a rede de plataformas logísticas.
 
Segundo Augusto Tomás, na Província do Moxico, temos a Plataforma Logística Transfronteiriça do Luau, a poucos quilómetros da fronteira leste com a República Democrática do Congo (RDC).
 
Estas plataformas constituem, no seu conjunto, uma frente integrada multipolar e multivariada nas relações económicas com os países circunvizinhos.
 
PLATAFORMA LOGÍSTICA DO LUAU TEM LIGAÇÃO FERROVIÁRIA PRIVILEGIADA
 
Para a Plataforma Logística Transfronteiriça do Luau a ligação ferroviária privilegiada que é assegurada pela linha do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), e que aproxima os países limítrofes do excelente Porto do Lobito, pelo qual uma elevada percentagem das mercadorias em trânsito poderia circular, confere-lhe um posicionamento estratégico na perspectiva da intermodalidade e da complementaridade modal, que torna evidente a necessidade de se avançar rapidamente para a construção deste empreendimento. 
 
Há, no entanto, necessidade de observar alguns pressupostos de vária ordem para que seja colocada no mercado das infraestruturas de logística e dos transportes uma oferta robusta, que possa ombrear com outras alternativas, de modo a que esta perspectiva estratégica venha a ter o sucesso esperado e empreste os contributos ao processo de crescimento económico dos países abrangidos, que suplantem a qualidade do serviço que é oferecido na actualidade por outras infraestruturas e redes, disse Augusto da Silva Tomás.
 
CRIAÇÃO DE MAIS EMPREGO EM ANGOLA
 
Com a construção das Plataformas Logísticas e com a atracção de investimentos noutras áreas por elas promovidos, tenderão a ser criados mais postos de trabalho, permitindo que uma parte da população actualmente sem ocupação, empregue em actividades precárias, em serviços de baixo rendimento, ou sobrevivendo de trabalhos no sector informal, possa ter nos novos empreendimentos uma oferta de emprego credível com acesso facilitado a uma ocupação adequadamente remunerada, estável, e com carácter permanente. 
 
Augusto Tomás defendeu ainda mais investimento e mais emprego geradores de riqueza e de rendimento. Este facto, disse, estimulará a aceleração da procura e o consumo de produtos de primeira necessidade, mas também de bens transacionáveis.
 
Para o governante, as plataformas têm tudo a seu favor para se transformarem no elemento dinâmico da economia regional e para promoverem, em função disso, vários objectivos macroeconómicos que estão em linha com a estratégia nacional para o desenvolvimento.
'Agora mais do que nunca na ordem do dia da estratégia governamental: o crescimento e a diversificação sectorial do produto interno bruto; o aumento do emprego; a industrialização, a substituição de importações e o fomento das exportações; e o reforço da internacionalização da economia nacional noutros sectores que não apenas o do petróleo', disse.